Escola sustentável: o caminho para uma sociedade consciente

Por em
Escola sustentável: o caminho para uma sociedade consciente

A sustentabilidade é um assunto sempre em alta. Cuidar do meio ambiente é um dever de pessoas, empresas e organizações. E quanto mais cedo aprendermos sobre isso, melhor para o planeta. 

Nesse sentido, a construção de escolas sustentáveis transcende a mera edificação. É uma oportunidade para integrar a educação ambiental ao dia a dia da comunidade escolar, promovendo práticas ecológicas e conscientizando sobre a importância da preservação do meio ambiente. Continue a leitura!

O que significa ter uma escola mais sustentável?

Seja para criar uma escola do zero ou reformar o prédio de uma já existente, a sustentabilidade precisa estar presente na escolha dos materiais, em um projeto com mais arborização e interatividade com a natureza, além de pensar nos gastos e mão de obra.

Uma escola mais sustentável beneficiará gerações, impactará positivamente o meio ambiente e será uma referência para toda uma comunidade, cidade e país. Se queremos que a educação se destaque de maneira benéfica, é necessário tomar medidas construtivas em todos os aspectos, 

Portanto, a escolha de construir uma escola inclui escolher materiais selecionados de acordo com a sustentabilidade: 

Materiais Ecológicos:

  • Madeira: madeira de reflorestamento, bambu e materiais à base de madeira (MDF, OSB) com certificação de manejo florestal sustentável;
  • Tijolos Ecológicos: produzidos com terra crua, adobe, ou outros materiais reciclados como garrafas PET e latas de alumínio;
  • Isolamento Térmico: materiais naturais como lã de carneiro, cortiça, ou fibra de coco, que proporcionam conforto térmico e acústico;
  • Revestimentos: tintas naturais à base de cal, argila, ou terracota, que são respiráveis e não liberam compostos orgânicos voláteis (COVs).

Técnicas Ecológicas:

  • Eficiência Energética: Iluminação natural através de grandes janelas e claraboias, painéis solares para geração de energia, e sistemas de ventilação natural;
  • Eficiência Hídrica: reuso da água da chuva para irrigação e descarga de vasos sanitários, sistemas de captação de água, e torneiras e chuveiros com baixo fluxo;
  • Gestão de Resíduos: coleta seletiva e compostagem de resíduos orgânicos, minimização de entulho e utilização de materiais reciclados;
  • Paisagismo: implantação de jardins com plantas nativas e de baixo consumo de água, que contribuem para a biodiversidade e o microclima local.

Desafios financeiros para gerar uma escola mais sustentável

Inicialmente, a implementação de práticas e tecnologias sustentáveis ​​pode ser mais cara do que métodos tradicionais de construção e operação. Nesse sentido, as escolas públicas, em particular, podem ter dificuldades em obter financiamento para projetos de sustentabilidade. 

Para esses casos, pode-se criar um plano de captação de recursos junto ao Governo e instituições de ensino de cada cidade, incluindo assinaturas da comunidade para acelerar a aprovação. 

Desafios técnicos que a equipe precisará enfrentar

Assim como qualquer projeto ou sistema novo, é de extrema importância realizar treinamentos com a equipe da escola para operarem e manterem os sistemas ecológicos de forma eficaz, além de se atentar à:

  • Complexidade dos sistemas: a integração de diferentes tecnologias e práticas sustentáveis ​​pode ser complexa e desafiadora;
  • Disponibilidade de materiais: materiais ecológicos e tecnologias sustentáveis ​​nem sempre estão disponíveis imediatamente, especialmente em áreas remotas;
  • Manutenção especializada: alguns sistemas ecológicos podem exigir mão de obra especializada para manutenção e reparos;
  • Mudança de mentalidade: aceitar as práticas sustentáveis ​​exige uma mudança de mentalidade da comunidade escolar;
  • Falta de conhecimento: alunos, professores e funcionários podem não estar familiarizados com os conceitos e práticas de sustentabilidade;
  • Resistência à mudança: algumas pessoas podem resistir à mudança de métodos tradicionais para práticas mais ecológicas.

Superando obstáculos para ter uma escola mais sustentável

Entender a importância da sustentabilidade é a base para gerar escolas mais sustentáveis pelo país. Em seguida, é hora de criar uma estratégia para colocar o plano em prática.

Planejamento estratégico: é fundamental ter um plano de longo prazo que defina os objetivos da escola e identifique os recursos necessários;

Parcerias: buscar parcerias com empresas, ONGs e Governo para obter financiamento, expertise e apoio técnico;

Educação e conscientização: realizar atividades de educação ambiental para toda a comunidade escolar;

Monitoramento e avaliação: monitorar o desempenho dos sistemas e práticas, e fazer ajustes conforme necessário.

Projetos inspiradores de escolas sustentáveis pelo Brasil

Para ajudar as demais cidades e comunidades a se inspirarem em novos projetos de escolas sustentáveis pelo Brasil, confira alguns cases de sucesso a seguir:

Escola Waldorf de Curitiba: construída em madeira de reflorestamento e adobe, com captação de água da chuva e sistema de tratamento de esgoto ecológico.

Escola Municipal SESC Interlagos: utiliza materiais reciclados na construção e possui painéis solares para geração de energia.

Escola Viva Rio: implementa a coleta seletiva e a compostagem de resíduos orgânicos, além de ter um jardim com plantas nativas.

Escola Municipal Sesc de Ensino Fundamental, Jaraguá do Sul, SC: primeira escola pública LEED Platinum do Brasil. Usa a captação de água da chuva, painéis solares, telhado verde e materiais reciclados na construção.

Colégio Fazer Crescer, Recife, PE: implementação de coleta seletiva, compostagem e horta escolar, com reuso de água e energia solar.

Que tal começar a ser mais sustentável em sua escola hoje? Continue acompanhando o nosso blog e confira mais conteúdos sobre arquitetura, sustentabilidade e assuntos relacionados. 

Redação Húngaro Arquitetura

Comentários